Isaías 53:7 – O Sangue fala

O  SANGUE QUE FALA

Isaías 53:7 “Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca”.

INTRODUÇÃO

          A cruz do calvário é o ápice do projeto de Salvação formulado por Deus. O Cordeiro de Deus substituiria as ovelhas perdidas mencionadas no versículo anterior.

          Sobre os ombros do Salvador estava o peso do pecado de toda humanidade, incluindo-se a desobediência de Adão, o homicídio praticado por Caim e todas as demais atrocidades culposas e dolosas praticadas pelo ser humano.

          Todas as acusações e todos os castigos que trariam a culpa e a condenação – que se opõem à paz e à absolvição –  estavam sobre Ele.

DESENVOLVIMENTO

          Como advogado fiel que é, muitos esperavam que Ele abrisse a boca. Um dos ladrões ao seu lado o instou: “Desce e livra-te a ti e a nós!”. O Cordeiro, contudo, não abriu a sua boca para se defender. Quando proferiu algumas palavras, o fez para nos inocentar. O bom Pastor preferiu morrer como ovelha.

         Jesus não precisou abrir sua boca naquele momento, pois ali estava sendo produzida a prova da inocência dos filhos de Deus. O sangue falava por si só!

CONCLUSÃO

         A voz altissonante do sangue de Cristo continua a ecoar. Fala mais alto que qualquer acusação do inimigo. Eis a “voz de muitas águas”, descrita no Apocalipse. O Sangue de Jesus produziu não o som de um argumento racional, mas a prova que fundamenta peremptoriamente a nossa fé.

         Às vezes, oramos e não percebemos o imediato agir de Deus. O silêncio aparente não significa, contudo, que Ele está inerte. Jesus esteve em silêncio na cruz, mas o Sangue dele era a maior resposta ao pecador. Nada fala mais alto que este Sangue poderoso!


botaodownload
Link de DOWNLOAD para Usuários Premium
Faça login!

Mais conteúdo

Lucas 23:33-42 – Jesus entre os malfeitores

Não endureçais os vossos corações – Hebreus 4:7

Os companheiros de Paulo e Silas – Atos 16:25-26

Quem poderá compreender o trovão do seu poder?

Este vale se encherá… – II Reis 3:22-23

A Parábola da Panela – Ezequiel 24:10

Jesus paga o tributo – Mateus 17:24-27

Os lavradores maus – Mateus 21:33-40

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo – Salmo 91:1

Reprime a voz do teu choro… Jeremias 31:16-17

O significado da Páscoa no Velho Testamento – Êxodo 12:1-13

Guarda tu a fortaleza… Naum 2:1

Afinados como a prata – Salmos 66:10

O grito da alma aflita – Mateus 15:25

O louvor profético – Salmos 113:3

A volta da Sulamita – Cantares 6:12-13

O cuidado com as Ovelhas – Provérbios 27:23-27

Isaías 8:6 – Volte a Siloé


Gostou? Então compartilhe

Deixe um comentário