Pular para o conteúdo

O irmão do filho pródigo – Lucas 15:25

O IRMÃO DO FILHO PRÓDIGO

Lucas 15: 25

INTRODUÇÃO

            Quando o Senhor Jesus contou a parábola do Filho Pródigo, procurou mostrar a todos a misericórdia de Deus e o seu desejo em perdoar aquele que estivesse distante da casa do Pai, recebendo-o como filho em seguida.

            Mas Jesus também fez referência ao segundo filho, aquele que permaneceu na casa do pai, servindo cada dia aparentemente com fidelidade. Este filho, apesar de estar junto do seu pai, tinha problemas em sua vida, que se manifestaram com o retorno do seu irmão que se havia perdido.

DESENVOLVIMENTO

O filho mais velho estava no campo…

Ele havia ficado na fazenda do seu pai, e lá permanecido todo o tempo. Este filho representa aqueles que estão na igreja todos os dias, participando de suas atividades, orando, jejuando, etc., mas fazendo estas coisas como que por obrigação, como uma rotina e não de coração puro.

Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado… mas ele se indignou…

Ao saber da festa preparada para o filho mais novo, ao ver a alegria e a atenção que todos deram ao recém-chegado, o filho mais velho se revoltou contra seu pai, e se encheu de ciúmes e indignação, e não quis entrar em casa e participar da festa. Ele não entendeu a atitude de seu pai e de todos na fazenda com a volta do filho pródigo, e isso mostra que ele não sentia nenhum amor pelo seu irmão; ele era indiferente com relação à sua salvação.

Te sirvo a tantos anos… e nunca me deste um cabrito…

Ao reclamou do pai por nunca lhe haver tratado daquela forma, ele deixou de reconhecer a morte e sacrifício de Jesus em seu favor também – o bezerro cevado. Ele expôs a sua justiça própria quando reclamou de seu serviço contínuo na fazenda, e deixou claro que o desejo do seu coração era estar se banqueteando com seus amigos lá de fora, não na fazenda de seu pai.

Filho, tu sempre estás comigo e todas as minhas coisas são tuas…

O Pai enviou o Senhor Jesus, que deu sua vida por nós, para que fôssemos recebidos como filhos e tomássemos posse de todo as as coisas que Ele preparou para nós, pela no seu Nome. O apóstolo João escreveu: “Estas coisas vos escrevi para que saibais que tendes a vida eterna…” – I Jo 5: 13. Ter a vida eterna é viver tudo aquilo que Jesus conquistou na cruz – segurança, vitória, preservação, livramento, saúde, felicidade e salvação.

Há pessoas na igreja que, apesar de estarem presentes nos trabalhos que são realizados, não têm entendido o amor de Deus para com as almas perdidas, e nem a Obra que tem realizado na igreja. Esses irmãos também não têm noção de seus “direitos” espirituais, concedidos pelo Pai através do Senhor Jesus.

Deus tem uma grande preocupação com a salvação do homem, e a Bíblia diz que há júbilo nos céus por um pecador que se arrepende. No entanto, muitos na igreja são insensíveis a isso e não se preocupam com aqueles que precisam de salvação, não evangelizam e nem convidam seus amigos para participarem dos cultos na igreja.

CONCLUSÃO

            Estar em comunhão com Deus não significa estar na igreja simplesmente, mas é pensar como o Senhor pensa, agir como Ele age e sentir o que o Senhor sente. Aquilo que mais alegra o coração do nosso Pai Celeste é quando alguém se arrepende e alcança a salvação – Jo 15: 7.


botaodownload
Link de DOWNLOAD para Usuários Premium
Faça login!

Mais conteúdo

Marcos 5:36 – O “Somente” que precisamos entender

O naufrágio de Paulo – Atos 27: 41-44

Sei passar necessidades e ter em abundância – Filipenses 4: 11-14

Parábola da rede – Mateus 13:47–50

Mãos enfraquecidas – Sofonias 3:16-17

João 21:18 – Dois tempos na vida do homem

Vê, nas palmas das minhas mãos te gravei – Isaías 49:14-16

“Pequei…” – II Samuel 13:13

A necessidade do novo nascimento – Efésios 4:17–24

Os diálogos de Jesus – Marcos 2:18-21

O Senhor te ouça no dia da angústia – Salmo 20

Não temas,crê somente – Lucas 8:41-50