genealogia2A genealogia de Jesus

Segundo Livro de Lucas

Em Lucas 3:23 a 38 nós vamos ler todos os nomes da genealogia de Jesus até Adão.

Por que até Adão?

Porque Lucas apresenta o Senhor Jesus como homem, descendente de Adão. Para ser o nosso Salvador, o Senhor Jesus teria que vir como homem, nascido de mulher, Ele teria que possuir todas as condições humanas, exatamente como nós, a nossa humanidade. Jesus não poderia ser um alienígena, um ser de outro planeta, um marciano, ou um venusiano, porque esses seres são frutos da ficção, e Jesus é real.

Jesus não poderia ser um cordeiro, enquanto animal irracional, porque tal sangue não tem poder para lavar os pecados cometidos pelo homem. A Bíblia diz que somente um sacrifício seria perfeito, suficiente e eficaz, somente o sangue do Cordeiro de Deus seria vertido. Jesus é o Cordeiro de Deus.

Por que, então, deveria ser o sangue do homem Jesus?

Porque o pecado entrou no mundo através de Adão, o primeiro homem e, por isso, somente um homem poderia retirar o pecado do mundo. Jesus é o segundo homem, o segundo Adão, o que não pecou, somente o seu sangue lavaria a mancha do pecado da humanidade.

O Senhor Jesus nunca pecou, mesmo como homem, Ele era tão santo, tão puro enquanto esteve aqui como homem, que poderia entrar na presença de Deus, lá nos céus, e sair da sua presença e vir para a terra, pela sua própria justiça porque o pecado nunca o tocou, nem chegou perto. Somente Ele poderia ofertar a sua perfeita justiça para salvar o homem, sem isso o homem iria para o inferno no dia do juízo; mas ao dar a sua justiça para o homem pecador, deu-lhe condição de entrar nos céus.

Aqui há um detalhe importante. O Senhor Jesus é o Criador de todas as coisas, inclusive do homem, Ele é Deus e como Deus, a sua morte lhe dá poder para salvar a todos que Ele mesmo criou e é por isso que Ele convida a todos: Vinde a Mim.

 

Jesus pode salvar a todos porque Ele é homem-Deus.

Sendo Ele homem – Para que, como homem, morresse para salvar os homens. E como humano, para salvar a humanidade, homens de todas as raças, tribos e nações.

Sendo Ele Deus – Sendo perfeitamente humano, da nossa humanidade, o seu sangue tem poder para lavar os pecados de todo e qualquer ser humano que venha para buscar esta salvação e receber o Senhor Jesus como seu Salvador.

 

Lucas, o evangelista grego.

Lucas era médico e sendo assim ele estava à vontade para falar a respeito da humanidade de Jesus, sobre o corpo de Jesus, sobre o seu nascimento, sobre a sua condição de homem enquanto matéria e, além disso, Lucas era grego e os gregos se interessavam profundamente pelo corpo humano, eles se esmeravam em estudá-lo, conhecer a anatomia e a psiquê humanas.

Deus veio para salvar os judeus, entretanto Jesus disse aos seus apóstolos: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda a criatura.   E o que eles fizeram?

Eles não fizeram nada. Aqueles doze apóstolos, cheios do Espírito Santo, ficaram pregando somente para os judeus até que o Senhor providenciou a primeira perseguição.

Veio a perseguição contra os cristãos, contra os seguidores de Jesus e eles foram forçados pelas circunstâncias a se espalharem para fora da terra santa. Somente aos apóstolos foi permitido ficar em Jerusalém, mas todos os judeus que eram do “Caminho”, que é Jesus, debandaram de Jerusalém e foram dispersos pelo mundo. Foi assim que o evangelho se espalhou como fogo pelo mundo todo, cada um ia pregando o evangelho, testificando no poder do Espírito Santo e desse modo Deus espalhou a Verdade, espalhou a salvação pelo mundo.

Em Atos 10:9 a 16 nós lemos que Pedro teve a visão do grande lençol onde estava toda a sorte de animais, e isso foi repetido por três vezes. Pedro ainda meditava sobre essa revelação quando o Espírito Santo lhe falou que ele deveria acompanhar aqueles três homens que o estavam procurando e acompanhá-los até à casa de Cornélio e lá entregar uma mensagem. Cornélio não era judeu.

Pedro teve a visão, recebeu o convite, foi, pregou o evangelho e Cornélio e todos os que ouviram a Palavra naquela casa se converteram, foram batizados com o Espírito Santo e logo após foram também batizados nas águas.

Quando os outros apóstolos que estavam em Jerusalém souberam disso, mandaram chamar Pedro para que eles lhes explicasse porque estava pregando o evangelho aos gentios.

Pedro estava numa situação difícil perante o Presbitério. Ele foi lá e lhes disse que tivera uma visão, tivera uma orientação de Deus e atendeu, foi ao local determinado, falou de Jesus para os presentes, eles creram e foram batizados com o Espírito Santo e sendo assim ele não poderia impedir que fossem batizados nas águas. Esta foi a defesa de Pedro. Até este dia os judeus não aceitavam compartilhar da salvação, do evangelho com os outros povos, com os gentios.

Lucas escreveu a sua Epístola e o livro de Atos dos Apóstolos, que relata a ida do evangelho para o mundo todo. Lucas não teria nenhum problema para dizer como Cornélio se converteu ou como a igreja de Antioquia foi estabelecida porque ela não foi fruto do trabalho da igreja de Jerusalém, mas surgiu como um trabalho novo de uma igreja que foi guiada pelo Espírito Santo, pelo testemunho de alguns de Chipre e de Cirene que levaram o evangelho até a Antioquia.

Tudo isso é para mostrar porque Lucas foi usado.

Ele era grego, um estudioso, ele se importava com a humanidade e por isso ele não aceitava o radicalismo judeu, ele não acreditava que Deus só queria salvar judeus, ele estava convencido de que Deus queria salvar toda a humanidade, não só judeus, não só gregos, mas toda a espécie humana.

Para mostrar os detalhes humanos do nascimento de Jesus, Deus usa um médico, foi ele quem contou sobre a visita do anjo à Maria, foi ele quem usou a expressão E aconteceu que estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz. E deu à luz a seu filho primogênito. (Lc. 2:6 e 7)

Por que o médico Lucas enfatizou, dizendo que Jesus era o filho primogênito?

Porque ele sabia que Maria deu à luz a outros filhos. Mateus também fala sobre esses outros filhos dela, quando diz: Não é este o filho do carpinteiro? E não se chama sua mãe Maria e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas? E não estão entre nós todas as suas irmãs? (Mt.13:55 e 56)

Jesus teve irmãos e irmãs mais novos do que ele. A Bíblia não diz quantas eram as irmãs de Jesus, mas podemos eliminar a possibilidade de serem apenas duas porque o termo empregado seria ambas e não todas, portanto, seriam, no mínimo, três irmãs. Tomando isso por base a família de Jesus seria composta de, no mínimo, onze pessoas: pai, mãe, cinco irmãos e três irmãs e Ele.

Lucas sabia da virgindade de Maria até à hora de Jesus nascer, ele não poderia dizer que José era o pai biológico de Jesus, por isso ele escreve, orientado pelo Espírito Santo, que Jesus era (como se cuidava), filho de José, e José de Eli.

 

Eli era o pai de Maria, portanto Eli era sogro de José. Isso acontece ainda hoje. Quando há muito amor na família é comum que o genro chame o seu sogro de pai e o sogro chame o genro de filho, é uma demonstração de afeto, até dizem: Eu não perdi uma filha, mas ganhei um filho. Isso existia entre Eli, pai de Maria, e José, marido de Maria. É por este motivo que Lucas faz essa referência: Jesus era (como se cuidava) filho de José, neto de Eli, bisneto de Matã e assim por diante até completar toda a genealogia da família de Maria.

Quando a criança nasce há um interesse geral para saber sobre a sua semelhança, sobre a sua aparência, com quem ela é parecida porque ela herda os traços fisionômicos dos seus familiares. Pergunta-se: Jesus tinha algum traço fisionômico de José? De Jacó, pai de José? De Matã, avô de José? É claro que não. Na formação física e mental de Jesus não houve nenhuma contribuição genética por parte de José. Somente a família de Maria contribuiu, geneticamente, para a formação de Jesus, portanto, Ele era parecido com a mãe dele, Ele tinha os traços de Eli, ou com a esposa de Eli, cujo nome não sabemos porque a Bíblia não diz. Jesus herdou todas as características físicas e mentais de sua mãe Maria e de seus ancestrais.

José deu-lhe o direito de ser o rei dos judeus, direito legítimo, verdadeiro, porque isso era profético.

Não era o interesse principal de Lucas provar que Jesus era o descendente legítimo de Davi e nem de Abraão, mas ele vem relatando até Davi.

Davi teve muitos filhos e um deles foi Salomão, que ele teve com Bate-Seba, que fora mulher de Urias, a este filho Davi deu o direito de ser rei. Mas Davi tinha um grande amigo, seu conselheiro espiritual, um vidente, um profeta chamado Natã. Quando Davi caiu em pecado, Deus levantou a Natã, seu guia espiritual, para lhe apontar o pecado. Era de se esperar que Davi daria este nome a um filho seu, para homenagear o seu grande amigo. E foi o que aconteceu, nasceu um filho a Davi, ele colocou-lhe o nome de Natã e é esse descendente de Davi que é o ancestral de Maria, portanto Maria é também descendente de Davi.

José era descendente de Davi, através de Roboão, filho de Salomão, herdeiro do trono, por isso Jesus tinha o direito de ser rei porque José era descendente direto de Roboão, filho de Salomão, filho de Davi, todos reis legítimos.

Tanto Natã, o ancestral de Maria, como Salomão, ancestral de José, eram filhos de Davi.

Daí para frente a genealogia narrada por Mateus e a narrada por Lucas é uma só. Mateus finda em Abraão, mas Lucas prossegue até Adão, filho de Deus porque o seu interesse era provar a humanidade de Jesus. Adão foi criado por Deus, não houve junção carnal, mas era humano como nós.

Logo na primeira geração há uma tentativa de interromper a linha sucessória. Abel tinha morrido e Caim tinha ido embora, mas Deus levanta Sete, ele substituiu os dois irmãos que haviam saído da linhagem sucessória.

Lucas provou, de forma documental e cabal, que o Senhor Jesus era da raça humana, ele provou que Jesus não veio de outro planeta, mas que era total e perfeitamente humano, em conformidade, para derramar sangue humano para lavar os pecados de seres humanos como nós somos.

Amém.