A MORTE NA PANELA (II Reis 4: 38-41)

 

A MORTE NA PANELA

II Reis 4: 38-41

 

INTRODUÇÃO

Houve uma fome em Israel, nos dias do profeta Eliseu, e ela era o resultado de um juízo de Deus sobre o povo por causa dos seus pecados.

Naqueles dias Eliseu voltou a Gilgal e encontrou ali os filhos dos profetas, que se  assentaram na sua presença e esperaram uma providência da parte do servo de Deus.

 

 

DESENVOLVIMENTO

O mundo hoje vive um grande momento de fome espiritual, e as pessoa lançam mão de tudo que encontram pela frente, com o propósito de suprir suas necessidades espirituais. No entanto, o que vemos é a permanência da fome, pois as coisas do mundo não atendem a essas necessidades da alma.

A igreja nesta hora tem descansado na presença do Senhor Jesus, pois ela sabe que Ele é poderoso para suprir todas as suas necessidades, e que a sua providência sempre vem na hora certa.

 

Eliseu mandou seu moço colocar a panela grande ao lume (fogo), e sem seguida ordenou que preparasse um caldo de ervas para que todos pudessem se alimentar. Feito isso, todos os filhos dos profetas saíram ao campo em busca de ervas, para com elas prepararem o caldo. Um deles, no entanto, se afastou demais na sua busca por ervas, e encontrou um tipo de planta venenosa e tóxica, chamada coloquíntidas (um tipo de pepinos bravos), e inadvertidamente colheu uma boa quantidade e veio e lançou tudo na panela grande, junto com as outras ervas. Quando o caldo foi servido, todos começaram a se sentir mal, e alguém gritou: “Há morte na panela!”.

 

O alimento do povo de Deus é a Doutrina Revelada e preparada pelo Espírito Santo para ser distribuída no corpo. A Palavra Revelada é o nosso alimento, o qual sacia nossa fome em tempos de escassez como os de hoje. Somente o Senhor sabe como preparar esse alimento, e Ele sabe também aquilo de que precisamos nos alimentar.

Deus tem usado o Ministério (tipo do moço de Eliseu) para transmitir a Palavra revelada que vai alimentar a igreja. Tudo tem que ser feito na panela grande (o coração cheio da graça) e no fogo (comunhão do Espírito Santo).

Toda a Doutrina da Obra tem sido revelada no corpo, o qual tem se alimentado e vivido dela. Nada é feito fora do corpo, pois o que vem de fora do corpo, pode trazer grandes prejuízos para o corpo e seus membros. Quando alguém se afasta do corpo, perde a comunhão e o discernimento, e termina absorvendo coisas estranhas, do mundo, da religião, de livros, etc. trazendo depois para dentro da igreja, causando mal estar e morte aos que provarem delas. Não podemos trazer as coisas da religião, seus métodos, dogmas, usos e costumes, etc. para o nosso meio, pois essas coisas (aparentemente inofensivas) podem contaminar a muitos, principalmente os novos na fé, causando-lhes graves prejuízos espirituais.

 

CONCLUSÃO

O profeta Eliseu ordenou que se trouxesse farinha e se colocasse dentro da panela com o caldo venenoso, a fim de que a morte fosse retirada.

Quando surgem coisas prejudiciais no meio da igreja, coisas do homem, da religião, ensinos que podem ser danosos às vidas das pessoas, é necessário a presença e a revelação do Senhor Jesus, pois Ele é o trigo que foi moído por nós (farinha), para nos curar de todos os nossos males. Assim como a farinha absorveu a morte que havia na panela, Jesus absorveu em seu corpo a morte em nosso lugar, para nos dar a vida eterna.

Quando a igreja passa por momentos de perigo, pela infiltração de ensinos não revelados pelo Espírito Santo e outras coisas que trazem prejuízo, é necessário a busca de uma comunhão mais profunda com o Senhor Jesus (madrugadas, jejuns, vigílias, ceia) para que a morte seja suplantada e afastada do corpo (igreja), para que todos possam continuar se alimentando e vivendo na presença do Senhor.

A pessoa que se afasta da sã doutrina, torna-se indisciplinada e não há lugar para pessoas indisciplinadas no Corpo do Senhor Jesus (Heb 12: 4-9).

 

Gostou? Então compartilhe

Deixe um comentário

Novidades do site

Assine e confirme no seu email