O GOVERNO DA IGREJA

O GOVERNO DA IGREJA

{comments}

O GOVERNO DA IGREJA

 

1 – CONCEITO

Governar é reger o andamento de alguma coisa ou de alguém, é regular, executar, etc. Ter governo é ter autoridade para administrar.

 

I Timóteo 3:2-5 – “É necessário que o bispo (pastor) seja irrepreensível e que governe bem a sua casa… pois se alguém não sabe governar a sua casa, corno governará a casa de Deus”.

 

Podemos observar na vida da Igreja que ela é como sinônimo de autoridade para administrar a vida em comunidade.

 

Significa o governo da Obra do Espírito na igreja (é bom  frisarmos, governo no Espírito, ou seja, na orientação do próprio Senhor)

 

2 – GOVERNO NO REBANHO 

É necessário que a ovelha sinta que o pastor é responsável pelo seu desenvolvimento espiritual, a orientação firme é importante na edificação de cada  membro do Corpo de Cristo (a Igreja).

Quem se insurge contra esta autoridade, está fora do caminho ( Corpo )

Judas 1:8  “…rejeitam governo, e difamam

 

2.1 – Governar no Espírito

Já vimos outras vezes que, a Igreja funciona como um corpo. Assim sendo  a ajuda é de muita valia no governo teocrático (de Deus ). Por Exemplo:

Quando existem orientações do Senhor acerca de algum assunto da Igreja, cabe ao membro que as tem de levar ao a pastor para que seja colocado em ordem. Assim sendo tem todo o controle do rebanho, pelas informações que são fornecidas.

 

  • Se alguém procura o seu pastor para uma orientação, este já tem a informação do Senhor acerca do problema que aflige aquela vida.

 

  • Não cabe ao membro da Igreja que tem revelações, visões ou sonhos  a seu próprio respeito, executá-los à revelia  (Não cabe à ovelha orientar a Igreja pelo dom espiritual – mas o pastor).

 

3 – NO GRUPO DE INTERCESSÃO 

O grupo de intercessão é formado por servos mais amadurecidos e que são levantados pelo Senhor, para julgarem no Espírito os dons ou outras operações na vida da Igreja.

 

Quando uma orientação é trazida no grupo, e na consulta não fica claro, cabe ao pastor decidir sabiamente.

 

O pastor dirige a grupo de intercessão, e na sua ausência o grupo de intercessão, não pode decidir nada, mesmo que as orientações trazidas sejam do Senhor.

 

O grupo de intercessão bem ajustado será fundamental para o governo  espiritual da Igreja, pois a sua função é ajudar o pastor.

 

 

4 – COM RELAÇÃO AOS DIÁCONOS 

Os diáconos são ajudadores do pastor, tem uma importância especial no crescimento da Igreja, pois devem estar enfronhados nos problemas do rebanho, assim servem de auxílio ao governo local.

 

4.1.1 -ATOS 6:1?7

“Ora naqueles dias, crescendo o número de discípulos, houve uma murmuração dos gregos contra os hebreus, porque as suas viúvas eram desprezadas no ministério cotidiano. E os doze convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a Palavra de Deus e sirvamos as mesas. Escolhei pois, irmãos, dentre vós sete varões cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante serviço. Mas nós perseveraremos no ministério da Palavra”.

4.1.2 – Podemos observar no texto lido, que o crescimento da Obra naquela época havia atingido proporções muito grandes, e por isso mesmo, os membros de Igrejas locais, particularmente aqueles mais carentes, como por exemplo: os órfãos, as viúvas, os enfermos, ficavam desamparados no ministério cotidiano, ou seja, os apóstolos não podiam atender as necessidades destas pessoas. Eles não podiam deixar o ministério da Palavra, para atender a estas situações, daí a necessidade sentida por eles, e confirmada pelo Espírito Santo, surgindo então os primeiros diáconos

4.1.3 – FUNÇÃO DO DIÁCONO

a) Visitar os crentes da Igreja a que pertencem, orar com eles, resolver dentro do possível alguns problemas tomando ciência deles, e trazer ao seu pastor, no caso de não poderem resolvê?los.

 

b) Cuidar dos órfãos e das viúvas, suprindo não só as necessidades espirituais, mas também as materiais.

 

c) Prestar socorro, ou seja, cuidar daqueles que não tem a quem recorrer, suprindo suas necessidades, e zelando por eles.

 

d) Cuidar da parte material da Igreja local, zelando pelos objetos de uso da Igreja, e também das coisas consagradas ao Senhor, limpeza do templo.

 

e) Ajudar na ordem do culto, auxiliando aqueles que são novos ou visitantes bem como resolver alguns problemas de ordem espiritual que surja durante os cultos.

 

4.1.4 – COMO SURGE O DIÁCONO NA IGREJA ?

“Escolhei pois, irmãos, dentre vós, sete varões cheios do Espírito Santo ……

 

a) É necessário que o servo seja cheio do Espírito Santo, e somente o Senhor pode dizer isto. Assim sendo, a escolha é feita por revelação.

 

b) Não podem ser neófitos (novos na fé)

“Não neófitos, para que não ensoberbeça e caia no laço do maligno”. ( I Tim. 3:6)

 

c) Convém que tenham bom testemunho dos de fora. (I Tim. 3:7)

 

d) “Que sejam primeiros provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis”. (1 Tim. 3: 10)

 

e) Que governem bem a sua casa” (I Tim. 3:12)

 

f) “Maridos de uma só mulher” (I Tim. 3:12)

 

Precisamos observar com muito cuidado, as vidas que estão sendo levantadas nas nossas Igrejas como diáconos. Se o Senhor revela acerca de qualquer servo que não preencha estes requisitos acima citados é preciso observarmos bem, discernirmos também com muita prudência para ver se a hora é mesmo chegada, ou se é uma bênção que o irmão receberá no futuro, quando tiver totalmente acertado nestes detalhes.

“E Estevão cheio de poder e fé, fazia prodígios e grandes sinais entra o povo”.

Dentre os sete verões levantados como diáconos, observamos que Estevão se destacou neste serviço, e uma das principais características desse servo era exatamente a exigida: Cheio do Espírito Santo.

O diácono não deve se conformar simplesmente com o título, ou cargo assumido na Igreja, porém, deve se preocupar em buscar ao Senhor para que possa acontecer na sua missão junto aos seus irmãos, sinais e prodígios, próprios daqueles que andam cheios da graça.

Mas o fim da vida de Estevão foi pregando o Evangelho na autoridade do Espírito, e morreu assim, em plena pregação, num ato de fé e amor ao Senhor Jesus, num exemplo que serviu para muitos dentre os quais o próprio Saulo, que mais tarde foi apóstolo.

4.1.5 – GOSTARÍAMOS DE CHAMAR A ATENÇÃO PARA ATOS 21:8

“E no dia seguinte partindo dali, Paulo, e nós com ele estávamos, chegando a Cesaréia, e entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele”.

Podemos observar neste texto que o diácono pode depois, receber um ministério como aconteceu com Filipe. Por isso mesmo não é de se estranhar o fato de um servo que, a princípio, foi diácono, de repente ser chamado para um ministério.

 

Atenção – Algumas Igrejas denominam irmãs piedosas, e que prestam serviços às Igrejas locais de diaconisas; no entanto este termo não aparece na vida da Igreja Primitiva. É bom lembrar aqui a instituição foi para varões e não irmãs. Isso não impede que elas atendam algumas necessidades, como fazia Dorcas e outras na primeira Igreja; pois daí chamá?las diaconisas, não há fundamento. 0 original não diz diaconisas, mas mulheres que serviam.

 

5 – UNGIDOS E OBREIROS 

É da competência do pastor, instruir  e orientar os ungidos que estão em fase de prova, no preparo para a ordenação. Bem como a orientação dos obreiros e seus relacionamentos dentro dos grupos onde estão funcionando.

 

II Tim. 2:15

“Procura apresentar?te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar”

O apóstolo Paulo dá aqui um exemplo, da maneira sábia como o pastor deve orientar o novo obreiro, como foi o caso de Timóteo; a palavra de alguém mais experiente no ministério é muito importante.

6 – GOVERNO DOS BENS DA IGREJA 

  1. Coordenar a manutenção da conservação do patrimônio. 0 pastor convoca os diáconos para  este trabalho.
  • Pintura e limpeza
  • Reparos – Instrumentos (conservação)

 

  1. Finanças da Igreja
  • Gastos em instrumentos
  • Compras na Igreja (material de consumo)
  • Verificação de livros (tesouraria)

 

7 – PASTOR 

É o apascentador do rebanho da Igreja local, um ministério de terno interesse, e que cuida do estado espiritual da congregação.

 

7.1 ? Atribuições do Pastor.

 

  • Não se afastar por longo tempo do rebanho.
  • Apascentar, cuidando das necessidades das ovelhas, curando as enfermidades espirituais, ajudando?as a caminhar.
  • Corrigindo, mostrando o caminho, orientando na sua verdadeira vida cristã.
  • Governo da Igreja, seja no sentido espiritual ou material, ele é responsável por tudo que acontece com o rebanho.
  • Admoestar quando for necessário através de uma palavra a toda a Igreja, ensinar e disciplinar aqueles que estão com algumas dificuldades.

 

7.2 – Atos 20:28

“Olhei por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito vos constituiu bispos (pastor) para apascentardes a Igreja de Deus, que Ele resgatou com seu próprio sangue”.

O pastor precisa, inicialmente, ser um homem prudente, e olhar para si mesmo, ou seja, cuidar da sua vida espiritual, pois o Senhor vai ser exemplo no trato, na oração, no jejum, e depois, olhar pelo rebanho como quem vai prestar contas com Deus.

7.3 – Hebreus 13:17

“Obedecei a vossos pastores e sujeitai?vos a eles porque velam Por Vossas almas como aqueles que hão de dar contas delas para que o façam com alegria e não gemendo, porque isto vos seria inútil”.

O pastor deve se fazer respeitar na Igreja, ter o governo nas mãos. Não pode ser influenciado pela esposa ou pelos filhos, que muitas vezes não têm a Obra, e  também não são ungidos. Isto acarretada um prejuízo muito grande para o seu ministério pois somente ele tem uma função primordial diante do Senhor: Dar conta do rebanho.

7.4 -1 Pedro 5:2

“Apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente, não por torpe ganância, mas de ânimo pronto”.

O pastor deve ser comedido, usar de ternura, apesar de algumas vezes falar  duramente, se necessário, no entanto, lembrando?se que a Obra é feita Pelo Espírito; quando estivera frente da Igreja ter muito cuidado com a maneira de se expressar para não oprimir o rebanho ou algumas vidas.

O ministério de pastor, não é profissão. 0 servo que recebeu esta incumbência não pode ser ganancioso, ou seja um profissional da Bíblia, que só trabalha para a Obra se lhe pagarem bem.

Sabemos que a Bíblia diz que digno é o obreiro do seu salário…. ( I Tim. 5: 18),  mas a mesma Palavra diz: “Contentai?vos como vosso soldo”.

Antes de qualquer coisa, o pastor é um servo do Senhor, chamado para exercer um ministério.

Hebreus 13:20

 

“ Ora, o Deus de paz, que pelo sangue do conserto eterno, tornou a       trazer dos mortos o nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor de ovelhas”.

O grande exemplo do pastor está no próprio Senhor Jesus quer na maneira como falava ou conduzia o seu rebanho, ou mesmo  na intercessão e no jejum por aqueles que eram alcançados pela sua graça salvadora. 0 pastor deve procurar seguir o exemplo do Senhor Jesus que foi pastor perfeito.

 

João 10:11

“Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá sua vida pelas ovelhas”

 

Gostou? Então compartilhe

Deixe um comentário

Novidades do site

Assine e confirme no seu email