O CULTO

 

III – ALINHAMENTO DA TROPA

III.1 – DEFESA

III.2 – ATAQUE

IV –   ELEMENTO SURPRESA

IV.1 – REVELAÇÃO

 

V –  ATOS DO CULTO

V.1 – SALVAÇÃO

V.2 – LIBERTAÇÃO

V.3 – CURA

V.4 – CONSOLO

V.5 – LIVRAMENTO

V.6 – EDIFICAÇÃO

VI –   RESULTADOS DO CULTO

– ONDE ESTÁ O DESPOJO?

– QUEM DEIXA A BATALHA

– TER CONSCIÊNCIA QUE ESTÁ NUMA GUERRA

– A PORTA ESTÁ ABERTA MAS HÁ MUITOS ADVERSÁRIOS

– O QUE ACONTECE DURANTE O CULTO ?

– DEUS OPERA ATENDENDO O CLAMOR DO CORPO

VII – VITÓRIA FINAL

VII.1 – GRAÇA DE JESUS

VII.2 – AMOR DE DEUS

VII.3 – CONSOLO DO ESPÍRITO SANTO

A BENÇÃO DECRETADA PARA A IGREJA 

 

O  CULTO

A palavra culto vem do grego liturgia, que significa serviço.

O culto, na verdade, é uma ministração, é um serviço prestado. 

O que nós entendemos de culto?  O que é o culto para nós?  O que acontece no culto?

O culto é uma batalha contra tudo, porque há muitas coisas se levantando contra a Igreja naquele momento.  Quando você começa o culto, você entra numa batalha.

Quando a Igreja entra no culto, ela está entrando numa batalha e é por isso que ela se prepara.  Os irmãos já imaginaram um exército que não se prepara para uma batalha, que não se adestra?

Hoje existem grupos altamente especializados, compostos de não mais do que trinta elementos, mas com conhecimento bem diversificado.  Eles sabem nadar, pilotar, escalar montanhas, informática, explosivos, tudo que é necessário para chegar e resolver, todos altamente treinados para combaterem em situações extremas.

Havendo um seqüestro, por exemplo, no mar Mediterrâneo, um grupo anti-seqüestro é enviado para lá e deixado bem distante do navio (cativeiro) para não despertar a atenção dos seqüestradores e eles chegam lá e fazem o serviço.  Esses grupos estão sempre fazendo um treinamento intensivo, se aprimorando nas técnicas de combate.

Cada culto é um combate e a Igreja é um grupo de combate.

 

Quais são as armas da Igreja?

As armas que nós usamos são: O clamor, o louvor e a Palavra.

O comando.

Só há um comandante e é ele quem coordena todas as coisas, é ele quem dá todas as orientações, ele é o Senhor Jesus.

As táticas de guerra.

As táticas de guerra são, essencialmente, a defesa e o ataque.

Defender é colocar em ordem todas as coisas usadas para proteger (clamor e louvor), é servir-se de tudo aquilo que está à disposição para repelir um ataque inimigo e então partir para o ataque.

Atacar é deter o avanço do inimigo, fazê-lo recuar.  O ataque é a Palavra.

Qual é a prática disso no nosso dia a dia?  Como isso acontece no culto?

Por exemplo: Às 17:00h a Igreja ainda não chegou para o culto que só vai começar às 19:30h.  Qual é a tática do inimigo?

Ele procura enfraquecer a Igreja antes do culto. 

Como ele faz isso?

Ele começa atacando os pontos importantes.  Por exemplo: São 17:00h e uma irmã que é muito usada em dons está em sua casa, ele então vai lá e provoca uma contenda terrível.  Resultado, aquela irmã ficou oprimida.  Aquele ponto ali o inimigo já neutralizou, um soldado fora de combate, o culto foi prejudicado.

Outro exemplo:  o diácono que ia fazer o culto, teve uma discussão no trabalho.  Era o dia do grupo dele, ele ia fazer a abertura do culto, mas foi atingido em cheio, já chegou no culto enfraquecido.

Outro exemplo: o pastor que ia pregar, teve uma dificuldade na hora de vir para a igreja, prejudicou o culto.

Se a Igreja já vem enfraquecida para o culto, ela vai ter uma grande dificuldade no culto, ela vai travar uma luta desigual no culto porque está em desvantagem., está vulnerável, está despreparada.

Quais são as lutas que se travam no culto?

Entrou um oprimido, entrou um doente, entrou alguém com um com problema.  O irmão está enfraquecido, ele pode cair, a Igreja não está preparada, ela está enfraquecida, o dom não existe, o louvor não é espiritual, a palavra não é profunda.

A Igreja que não vem preparada para o culto, ele já saiu derrotada, todos os combates foram perdidos.

O que devemos fazer para nos defendermos e rechaçar o inimigo?

Vigiar e sempre orar.  Quando a Igreja vem para o culto, ela já começa a clamar, os servos já começam a vigiar.  Você tem dom?  Começa a clamar:  Senhor, tem misericórdia! A mensagem está com você?  Vigia.  Assim você já vem preparado.

O serviço de informação.

O serviço de informação é uma arma a mais dentro de uma guerra porque com ele sabe-se cada passo do inimigo, a sua posição, a sua intenção, o inimigo deixa de contar com o fator surpresa e fica exposto.  Um bom serviço de informação é o segredo para ganhar-se uma batalha porque você tem todas as informações e pode, assim, atingir todos os pontos secretos do inimigo.

Por exemplo: O serviço de informação avisou que tem um grupo inimigo no lugar X.  Você vai e lança uma bomba ali, acaba com eles.  O serviço de informação avisou que há um outro grupo inimigo escondido no lugar Y.  Você vai lá e detona com eles.  Dessa forma você atingiu todos os pontos.

Qual é o serviço de informação que a Igreja tem?

É a revelação, ela mostra onde o inimigo está escondido.  Olha, ali, debaixo daquela árvore tem um. Bomba nele, fora de combate.  Olha, tem outro escondido ali. E assim você vai identificando, vai descobrindo o plano do inimigo, a posição dele.

As informações são passadas pelo Espírito Santo, é Ele quem faz esse serviço tão importante. O culto profético é o nosso serviço de informação, é onde nós tomamos conhecimento das informações dadas pelo Espírito Santo, através dos dons.

A Igreja chega para o culto.

Quando a Igreja chega preparada para o culto, ela fica a postos, ela fica na posição e, então, ela dobra os joelhos e clama pelo sangue de Jesus.  E o que acontece nessa hora?

Acontece uma coisa notável, o véu se abre e a Igreja entra na glória de Deus.

Nós entramos na glória de Deus através do sangue do Cordeiro.

A Igreja é Corpo e o Espírito Santo está no Corpo.

A Igreja clama e então começa uma operação extraordinária, maravilhosa e invisível, durante o culto. Deus está aqui, junto com os anjos.

O culto está-se desenvolvendo, as informações já foram dadas, a Igreja está preparada.

A Igreja começa a cantar o louvor Que segurança tenho em Jesus! A irmã está ali sentada, doente, a luta dela nesse culto é a sua doença, ela começa a cantar, ela está dizendo que tem segurança em Jesus e, naquela hora, o Senhor diz para o anjo: Toca no físico dela. O anjo toca e ela fica curada.  Aquele ponto ali foi conquistado, aquela enfermidade foi vencida.

Num dia destes entrou um homem em uma de nossas igrejas.  Ele mexia com coisas de superstição.  Durante o culto a Igreja começou a cantar o louvor Jesus tocou-me.  Numa parte do louvor, ele deu um grito e começou a chorar.  Depois do culto ele disse o seguinte:  Eu entrei aqui e senti que estava amarrado, algumas coisas pesavam nos meus braços e nos meus pés.  Mas quando a Igreja cantou esse hino, saiu tudo e eu estou livre.

Aquela batalha foi vencida pela Igreja, Deus operou ali. 

Quais os resultados dos cultos?

Os resultados são: salvação, libertação, edificação, cura, consolo.

Você entrou triste.  A sua luta é a tristeza.  Eu estou triste, cansado, desanimado. Mas durante o culto Deus opera uma libertação.  Essa batalha foi vencida na sua vida.

Você teve uma experiência nova, você cresceu, você foi edificado.

O culto tem que ter resultado.  O culto é uma batalha e quando uma batalha termina há sempre como resultado um vencedor e um vencido.

Agindo como um soldado.

A Igreja precisa ter consciência de que ela está numa guerra.

Você não pode pensar assim:  Ah!  O pessoal vai ali para o combate, mas eu vou ficar aqui sentado na trincheira.

Você já ouviu falar de soldado pegar a sua arma e ir lá conversar com o inimigo?  Olha, eu estou lá do outro lado.  Como é que vocês estão aí?

O crente não pode ficar passando perto do inimigo, ir para o campo dele.  Há certos locais que são campos do inimigo.  Ah!  Eu só fui lá para ver como é que é. Você vai pra dentro do ninho do adversário, você vai pra dentro do local onde o adversário está atuando, você vai ser ferido.

Nós estamos numa guerra e o sangue de Jesus nos esconde do olhar do inimigo e é por isso que todos os dias nós estamos no culto,  porque todos os dias nós estamos empreendendo um combate. 

O  despojo.

Eu perguntei o seguinte à minha igreja:  Qual foi o despojo de vocês?  O que é que vocês têm conseguido com os cultos?  Quais foram as vitórias alcançadas?

Terminou o culto e aquele irmão que estava doente ficou curado  = 1 despojo.

Terminou o culto e o visitante se converteu  =  1 despojo.

Terminou o culto e o Senhor falou com uma pessoa, consolando-a  =  1 despojo.

Terminou o culto e um oprimido foi libertado  =  1 despojo

E eu pergunto:  Qual tem sido o despojo dos nossos cultos?  Deus está aqui, operando, os anjos estão conosco,  há uma operação maravilhosa e quando termina, quais são os resultados?  Ou nós perdemos a batalha?

As fases da batalha.

Quando começa o culto, começa a batalha.

1)  Defesa –  Os elementos de defesa, todo o preparo, no louvor, nas intercessões.

2)  Ataque –  A  palavra revelada entra.  É o ataque, é a conquista.

3)  Vitória – Termina o culto.  Vencemos!

4)  Hastear a bandeira da vitória –  Então nós temos a bênção pela vitória.  O pastor levanta as mãos (como se uma bandeira fosse hasteada com o lema da vitória) e impetra a bênção apostólica sobre a Igreja.

Às vezes nós nos acostumamos com a bênção apostólica, no entanto, sem entendê-la.

Deus operou, a Igreja venceu naquele culto, a batalha foi vencida e, então, o pastor levanta as mãos e diz:

O amor de Deus,…

O que a Igreja faz nesse momento?

Você está lá… Glória a Deus!  Eu estava triste e agora estou alegre.

O outro estava doente…Graças a Deus!  Senhor, o teu amor está aqui na minha vida.

Enquanto isso o Senhor está enviando um anjo na casa de um,  no trabalho do outro, as libertações estão acontecendo, o Espírito Santo está libertando.

Na bênção apostólica, no final do culto, toda a Igreja recebe uma imposição de mãos e você precisa apoderar-se disto, apossar-se desta bênção a mais.  Às vezes, termina o culto e uma  pessoa vem e pede: Pastor, ora por mim. Pode até ser uma necessidade especial, mas, geralmente, não seria necessário.

… A graça maravilhosa de Jesus…

E você continua tomando posse da bênção:  O Senhor Jesus salva.  Glória a Jesus!  Sou um servo do Senhor, Ele é tudo para mim.

… E a consolação do Espírito Santo…

E você diz:  Estou consolado.

5)  Recolher os despojos –   Terminou o culto, a batalha foi vencida.  Agora nós vamos passar pelo campo de batalha e recolher os despojos.

_ Está vindo aqui pela primeira vez?

_ Sim, é a primeira vez.

_ O que aconteceu com você?

_ Deus falou ao meu coração.  Eu tinha uma dificuldade e Deus me libertou.

_ Glória a Deus!

Vamos passando pelo meio da Igreja e vendo o resultado, aquilo que Deus operou, só recolhendo o despojo.

De vitória em vitória.

Mais uma grande vitória alcançada,  A Igreja venceu mais uma batalha!

No outro dia, outro culto, outra vitória.

A Igreja vence todos os dias, ela não pode ser derrotada, é por isso que ela se fortalece, é por isso que ela jejua, é por isso que ela ora.  Quando ela entra no culto, ela alcança uma grande vitória.

Nós precisamos aprender mais sobre o culto, muito mais porque há mistérios no culto, há uma operação invisível.

Vai chegar o dia em que a Igreja virá toda preparada para o culto e será uma coisa notável.

Às vezes nós vemos isso acontecer nos cultos.

Um dia, um senhor entrou lá na igreja, assistiu o culto, gostou muito e perguntou: Será que Deus fala mesmo?  Será que o pessoal vê anjos mesmo?

No outro dia, ele voltou para assistir o culto, sentou-se, olhou para a frente e viu dois seres de branco, um de cada lado do púlpito.Começou o culto.  Então ele viu um outro ser junto daqueles outros dois e esse ser veio andando, se aproximando dele ( e ele olhando: Mas o que é isto?),  e quando chegou perto, deu-lhe um abraço e ele correspondeu, abraçou também.

O pessoal do lado não estava entendendo nada, ficaram sem saber o que estava acontecendo.

Ele fechou os olhos e começou a chorar.  O culto se desenvolvendo, aquela bênção maravilhosa e ele chorando.

Quando terminou o culto o pastor disse: O Senhor deu uma visão de dois anjos que estavam aqui na frente e o Senhor também estava.  O Senhor disse que abraçou um homem aqui hoje.

O homem quase morreu, saiu chorando: O Senhor me abraçou! Abriu o carro, chorando, e então ouviu uma voz atrás dele: Lima. E ele: Pronto.  O que é isso? Abriu o carro, sentou, e ouviu novamente: Lima. E ele respondeu: Pronto. E ele ouviu o Senhor dizer: Hoje Eu estive com você.

Nunca mais ele saiu da Igreja.

Uma batalha, uma vitória e ali o despojo, o resultado da batalha.  E é isso que acontece quando a Igreja está preparada. 

E como ela se prepara?

Ela se prepara usando os meios de graça, as armas que o Senhor tem confiado a ela.  Assim ela vence, assim ela cresce.  A benção é decretada para a Igreja.

Não ser um desertor.

Ninguém pode deixar a batalha.  Ah!  Hoje eu não vou ao culto, estou cansado.

Ninguém que foi convocado para uma guerra faz isso.  É preciso ter consciência que está numa guerra.  A porta está aberta, mas há muitos adversários.

No culto, Deus opera atendendo ao clamor do corpo.

Gostou? Então compartilhe

Deixe um comentário

Novidades do site

Assine e confirme no seu email