Cidade Fortificada

Cidade Fortificada – Isaías 21:5-6

Cidade fortificada – Isaías 21:5-6

“Põem-se a mesa, estão de atalaia, comem, bebe; levantai-vos, príncipes, e untai o escudo. Porque assim me disse o Senhor: Vai, põe uma sentinela, e ela que diga o que vir.”

Naquela época as cidades eram fortificadas.
Era uma necessidade que as cidades fossem muradas.
A época era de guerras e estabelecimento de novos reinos.

Senaqueribe, rei da Assíria, tenta invadir Jerusalém, O Senhor não permite e seus próprios filhos o matam – quem estava no governo era Ezequias (II Crônicas 32).

Foi durante o reinado de Oséias – contemporâneo de Ezequias – que Salmaneser invade Samaria e leva o povo cativo para a Assíria (II Reis 17:23).

O que acontecia no caso de uma invasão?

  • Primeiro: uma grande parte do povo morria;
  • A cidade era saqueada e depois destruída;
  • Quem não morria era levado como escravo para o meio de um povo estranho.

A IGREJA É UMA CIDADE FORTIFICADA:

“Uma forte cidade temos, a quem Deus pôs a salvação por muros e ante-muros” (Isaías 26:1b).

A época é de guerras – outros reinos querem se estabelecer sobre nós.

  • Samaria já foi tomada => A religião já foi levada cativa.
  • Jerusalém resiste => A igreja fiel está resistindo até agora.

O que acontece no caso de uma invasão?

  • Primeiro: uma grande parte do povo morre – morre espiritualmente – perde a fé, a obra.
  • Os tesouros são roubados:
    a) Ouro – o entendimento quanto ao poder do Sangue de Jesus;
    b) Prata – a graça – a ação do Espírito Santo;
    c) Cobre – cessam as justiças de Deus em favor da igreja.
  • A cidade é destruída – o culto é destruído – ele vira qualquer coisa, mas deixa de ser culto.
  • Quem não morre vira escravo – vira religioso. Sem fé, sem experiência de salvação, sem obra.

Além dos muros havia as torres de vigia:

Além de as cidades serem bastante fortes e dentro haver um povo valente, guerreiro, elas tinham torres de vigia onde se postavam os atalaias, a fim de não serem surpreendidos pelo inimigo e, também, soubessem o que estava acontecendo do lado de fora da cidade sem que fosse preciso sair dela.

O atalaia, além de estar atento a tudo o que acontecia dentro e fora da cidade, estava atento ao momento.

Só a existência de torres numa cidade já era um sinal de que ali havia um povo prudente, que não era confiado em si mesmo, mas vigiava.

A igreja prudente tem suas torres de vigia:

O funcionamento é o mesmo: A igreja é como uma cidade fortificada.
O servo é valente, é guerreiro… Mas para que a igreja não seja surpreendida ela tem um grupo que ora, que vigia constantemente, a quem O Senhor mostra tudo o que ela deve saber para avisar os demais servos.

A igreja que conhece sua situação de atalaia, reconhece sua dependência do Senhor. Mostra que ali tem um povo que não está confiado em si mesmo – não é auto-suficiente – nem está descansado, mas que vigia em oração e está pronto a ouvir a voz de Deus.

O vigia ou “atalaia”:

O Senhor estabeleceu a igreja como atalaias em sua obra.
Ser atalaia é diferente de ser religião.
O povo espera que ela esteja na sua função – que ela seja fiel.
A segurança do povo depende dela.

No texto lido:
“Estão de atalaia, comem e bebem…”

  • O atalaia em serviço não podia comer e beber à mesa. Isso é para quem não estivesse de serviço.
  • Comer e beber à mesa significa estar descansado, tranquilo.

• A igreja fiel foi chamada para pagar um preço.
• Foi chamado para jejuar, orar, madrugar, ir ao monte, chorar aos pés do Senhor…

Se a religião está descansada, distraída, comendo e bebendo, casando e dando-se em casamento… Não é o caso da obra! (Lucas 17:27)

Então A igreja fiel chora e não come, como Ana, mãe de Samuel, fazia – ou seja – a igreja fiel ora e jejua constantemente (I Samuel 1:7).

  • Se todos estão desatentos a igreja fiel não pode estar. É sua função vigiar.
  • Quem vai dar o grito?
    • Espada do Senhor! Termo usado nas guerras de Israel.
    • O teu rei vem! O grito da igreja. Maranata! O teu rei vem!

Levantai-vos, príncipes:

  • Israel perdeu sua posição como atalaia;
  • A religião perdeu sua condição de atalaia porque se pôs à mesa quando deveria estar vigiando.
  • Alguém tem que assumir a responsabilidade.
  • Isaías ordenou: levantai-vos, ó príncipes.
    • O Senhor levantou príncipes – uma igreja com sacerdócio real – uma igreja com reis e sacerdotes, para ser atalaia.

Levantai-vos, príncipes:

  • O que fazer?
  • Qual o conselho do Senhor
    • É hora de untar o escudo – a hora é de guerra – o mundo está em guerra – a guerra é espiritual.
    Untar o escudo diminuía o impacto na hora da luta.
    Untar o escudo é estar cheio do Espírito Santo – estar em comunhão.
    Untar é santificação, busca, renúncia.
    O escudo é para proteção do corpo.

• Põe uma sentinela e ela diga o que vir.
É necessário um povo atento – comprometido com a revelação.

  • Que veja o que está acontecendo fora da igreja e tenha discernimento do momento profético em que está vivendo.
  • Que dê a direção segura.
  • Que mantenha o povo avisado. “Filho do homem: Eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel, e tu da minha boca ouvirás a minha palavra e avisá-lo-ás da minha parte.” (Ezequiel 3:17-19)

Rolar para cima